DESASTRE NA COZINHA


Em meados dos anos 1920, o fisiologista russo, Serguei Abrahamovich Voronoff sustentava a ideia de que os macacos são superiores ao homem por seu vigor físico, qualidade fisiológica e pela ausência de características degenerativas hereditárias e ou adquiridas, tais como vistas em grande parte da sociedade humana. Já no ano 1946, Francis Marion Pottenger, médico americano, apresentou ao mundo seus estudos relativos aos processos de preparação e consumo dos alimentos. Seus estudos apontam que, quanto mais alterados forem os alimentos pelo cozimento, quanto maior for o fogo e maior for o tempo de cozimento, mais problemas físicos e mentais o organismo assim alimentado terá. A luz deste conhecimento, torna-se plenamente compreensível o fato de que soframos das mais variadas doenças, começando pela debilidade óssea dos nossos corpos, problemas de fertilidade, aumento constante no número de abortos espontâneos, incapacidade de lactação normal, falta de interesse sexual ou compulsão, androgenia e todos os tipos de padrões alérgicos, distúrbios hormonais, problemas respiratórios, imunológicos e gastrointestinais.

Em realidade, nosso corpo está sendo atacado diariamente pelos alimentos que tão avidamente preparamos e comemos. O nosso corpo entende o alimento cozido como um agressor ao organismo. Tanto é verdade, que o aumento das células brancas do sangue, os leucócitos, pode quadruplicar durante a digestão de alimentos cozidos em comparação a alimentos crus; a esse fenômeno damos o nome de leucocitose digestiva, que é uma resposta ao estresse de uma infecção ou de exposição a toxinas.

Todo aquele que prepara comidas deliciosas por seu aroma e gosto pode ser considerado um alquimista moderno. Pois, em realidade, é isto que ocorre no preparo de alimentos, a criação de novos elementos químicos que não existiam anteriormente. Produtos insonsos e com odor, muitas vezes desagradáveis, se tornam pratos deliciosos e com aroma atraente. Esse é o caso da batata, por exemplo. Quando cozida, ela ganha outro aroma e outro sabor, tornando o que era impossível ser comida crua em algo prazeroso ao paladar. O que você certamente não sabe, é que para isso ocorrer foram criadas quatrocentas e vinte novas moléculas, não existentes na composição original da batata, formadas simplesmente pelo seu cozimento. Essas substâncias são toxicas ao organismo humano e são um dos fatores responsáveis pelo envelhecimento celular, causado pela liberação de radicais livres.

Devido ao nosso atual padrão de preparo e consumo dos alimentos, ingerimos alimentos biologicamente inadequados à nossa nutrição e saúde. Comemos alimentos desvitalizados, com perdas substanciais de nutrientes e água, com a formação de substâncias cancerígenas e toxicas ao corpo humano.

A forma e os recipientes de preparo, como panelas de alumínio, teflon, aço inox, transferem seus componentes metálicos para o alimento durante o cozimento. O alumínio, por exemplo, deposita-se no cérebro causando a Doença de Alzheimer, além disso, promove a perda de cálcio dos ossos, depositando-se nos rins, ocasionando cálculos renais, ou nas articulações, resultando em bursite, e ainda, entupindo artérias, aumentando a pressão arterial, possibilitando isquemias cardíacas e cerebrais, impotência e frigidez sexual. Por sua vez, as panelas antiaderentes liberam gases tóxicos a base de flúor, que aumentam os níveis de colesterol e ácido úrico; aumentam também a incidência de problemas circulatórios, cardíacos e renais; aumentam as chances do aparecimento de cânceres e doenças como o Parkinson e Alzheimer.

Todos os profissionais da saúde que lidam com a nutrição, sejam eles médicos ou nutricionistas, afirmam que, durante o processo de cozimento, perdemos nutrientes e, por isso, devemos evitar o excesso de uso desta forma de preparo dos alimentos. Saiba que o aroma característico de uma comida e liquido que fica na panela após o preparo, nada mais são que os sais minerais perdidos, os quais estariam no seu alimento, caso você os consumisse em sua formatação original, crus.

O principal problema do cozimento dos alimentos na nossa alimentação é o fato de que esse processo favorece a ingestão excessiva de calorias; primeiro pela perda de água, e segundo, pela diminuição do volume do alimento; facilitando, assim, ingerimos maiores quantidades do mesmo. Ao mesmo tempo, aumenta a densidade calórica dos alimentos. Imagine um cenoura crua; ela tem em seu estado natural 14 calorias. Ao colocarmos numa panela para ser cozida no vapor, a cenoura passa a liberar mais energia pela quebra das fibras causada pelo aquecimento. Agora, a nossa cenoura, após o cozimento no vapor, passou a ter 30 calorias; mais que o dobro de quando crua. Mas você é um gourmet; pega uma frigideira, coloca um fio de azeite de oliva extra virgem, acrescenta a nossa cenoura cortada em cubos, uma pitada de sal e a refoga. Resultado da sua alquimia, quase 100 calorias na mesma cenoura, que quando consumida em seu estado natural teria 14 calorias.

Novamente, o meu objetivo não é torná-lo um vegetariano crudivoro, mas sim esclarecer, que nossos hábitos alimentares estão nos matando dia após dia e que existe uma solução para isso, CONHECIMENTO. A melhor maneira de adequar a nossa alimentação para mantermos a nossa saúde é consumirmos 75% de alimentos crus, para 25% de alimentos cozidos. Agora está nas tuas mãos o que fazer com esse conhecimento.

37 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo